terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

A lógica da acentuação

Decorar as regras para pôr agudos, circunflexos, tis e tremas corretamente nas palavras está entre as coisas mais irritantes da língua portuguesa.

Aposto que muitos de vocês que seguiram carreira bem longe das letras ainda se perguntam por que tiveram de aprender que paroxítonas terminadas em a, e e o são acentuadas.

E acentuação não nos torra só no colégio, não: nove entre dez concursos públicos metem os casos mais raros em suas rocambolescas provas de português.

Dou razão a todo aquele que reclamar do assunto. É preciso ter muita paciência para lidar com agudos, circunflexos, tis e tremas.

Não adiantaria aglutinar as regras de acentuação e jogá-las aqui. Também não conheço nenhuma fórmula mágica que tire todas as dúvidas. Bem, até tem: é o dicionário.

Mas lucubrei um tanto sobre isso e cheguei a uma conclusão. Lingüistas, corrijam-me se eu estiver errado.

A acentuação é uma marca das minorias.

Veja bem: você não acentua toda e qualquer palavra. Na frase anterior, apenas o você levou acento. Qual é a lógica?

Para começar a entender acentuação, você precisa primeiro saber o que são sílabas tônicas. São as sílabas mais fortes, são as que 'puxam' a palavra. Aprendemos na escola uma maneira fácil de distingui-las: chamemos por elas.

Imagine que você está numa feira livre e vê uma grande amiga sua, a Dona Palavra, comprando peixe na barraca do outro lado da rua. Você, então, grita:

- Ô Dona PaLAvra!!!

E assim você a encontra. Não a Dona Palavra, mas a sílaba tônica.

Você já deve ter percebido que nem todas as sílabas tônicas levam acento. Você não escreve palávra, nem peníco.

A lógica — a que eu me referi lá em cima —, ao meu ver, é simples. As sílabas tônicas seguem um padrão. A partir daí, surgem grupos majoritários de palavras. Por serem mais numerosas, elas ditam a regra.

O acento indica a exceção.

Alguma vez eu vi ou li que as paroxítonas são maoria em nossa língua. É paroxítona a palavra cuja penúltima sílaba é a tônica. Se você pegar as regras de acentuação, verá que somente as palavras mais doidas levam o acento. São as que terminam, por exemplo, com ã/ãs, ão/ãos, um/uns, ps e x, entre outras. Como você pode concluir, são as minorias.

E como eu explicaria por que Caju não tem acento, como consta até de placas oficiais? Mais uma vez, é a regra da maioria. Esse grupo de palavras — formalmente chamadas de oxítonas terminadas em i e u — segue o padrão de a sílaba tônica ser a última. Sempre. Por isso, xixi e Peru não têm acento.

Já as proparoxítonas sempre têm acento. Nelas, a antepenúltima sílaba é a mais forte. Como são raras, e não a maioria, precisam da marca para que último não seja lido como ultímo.

Querem um exemplo: como se pronuncia misantropo?

(Em tempo, misantropo é quem odeia a humanidade, as pessoas)

Ficaram na dúvida entre miSANtropo ou misanTROpo? Fácil. Fosse miSANtropo, teria acento, pois seria uma proparox. Como não tem, é uma parox. E a maioria das paroxes não tem!

Espero não ter embaralhado a cabeça de vocês.

Para os saudosistas que sentiram vontade de reviver as aulas de português, indico um bom resumo. E muitos de vocês cantam e se encantam com uma música famosa que explora as proparoxes.

2 comentários:

the-living-wife disse...

NÃO tem acento!! XD E eu achava que sabia Português mais ou menos¬¬ filantropo tb?--; Afff, que ódio! Não sei se vejo lógica não, decorei toooooooooooodas as regras, depois desdecorei e redecorei as novas, porque mudou um monte¬¬'

Thanks \o/

Rafa H. disse...

til (~) é sinal gráfico e não acento '-'